Icone informações
Quero agendar
uma consulta
Icone informações
Quero mais
informações
Sobre o que você deseja saber?
Preencha os dados abaixo, selecione o assunto de interesse e receba informações exclusivas!

USG Pélvica: O que é e para que serve?

USG Pélvica: O que é e para que serve?

Postado em: 15 de maio de 2020

Atualizado por danijardim em 15 de maio de 2020

Ultrassonografias servem para observar órgãos internamente, a fim de diagnosticar de maneira mais precisa e pouco invasiva, alguma possível doença através da emissão e recepção de ecos transformados em imagens. Existem vários tipos de ultrassonografias, mas no caso do ultrassom ou usg pélvica, investigamos os órgãos presentes no interior da pélvis em mulheres e homens, […]

Ultrassonografias servem para observar órgãos internamente, a fim de diagnosticar de maneira mais precisa e pouco invasiva, alguma possível doença através da emissão e recepção de ecos transformados em imagens. Existem vários tipos de ultrassonografias, mas no caso do ultrassom ou usg pélvica, investigamos os órgãos presentes no interior da pélvis em mulheres e homens, e também para acompanhar o desenvolvimento de uma gestação.

É o tipo de exame realizado em clínicas radiológicas ou consultório, por um médico especializado na interpretação dessas imagens. Para isso, existem duas opções que utilizam técnicas diferentes: técnica suprapúbica, em que o transdutor é colocado sobre o abdome baixo, e a técnica transvaginal ou endovaginal, em que o aparelho transdutor é colocado dentro da vagina.   

No caso das mulheres, a usg pélvica é uma ferramenta fundamental para o diagnóstico e tratamento da infertilidade, pois permite a avaliação do útero e ovários, sendo a técnica endovaginal ideal, por conta da proximidade dos órgãos.

Dessa forma, pode-se identificar possíveis alterações no útero como miomas, pólipos, malformações e alterações endometriais. Nos ovários, é possível ver cistos, endometriomas e tumores, além de permitir a avaliação da reserva folicular através da contagem de folículos antrais. Já nas trompas, ele permite identificar a existência de líquido, além de ajudar na investigação de endometriose pélvica.

No caso de anomalias, o ultrassom pélvico é utilizado no tratamento para acompanhar a evolução da doença. 

Quando utilizada no tratamento de infertilidade, a usg pélvica observa o crescimento dos folículos durante a estimulação ovariana, principalmente para coito programado e inseminação intra uterina e FIV/ICSI. 

Portanto, em casos e FIV/ICSI, a usg pélvica é fundamental para guiar a punção folicular para captação dos óvulos e para a transferência dos embriões.

Quer saber mais sobre a usg pélvica? Então, acompanhe o trabalho abaixo!

O que é USG pélvica?

especialista fazendo uma USG pélvica

A USG Pélvica é um tipo de exame de ultrassonografia.

A ultrassonografia pélvica é como todos os outros ultrassons, pois também baseia-se no uso de uma sonda de ultrassons para emitir e receber ecos (sons). Quando em contato com esse transdutor, os órgãos da região pélvica refletem essas ondas, traduzindo o eco em imagens por meio de uma tela. 

Para as mulheres, a ultrassonografia pélvica serve para examinar os órgãos da pélvis, como os reprodutores femininos (útero, ovários, tubas uterinas) e a bexiga. Já nos homens, a usg pélvica é usada para visualizar a próstata e a bexiga.

Por isso, o exame é frequentemente usado o diagnóstico de sintomas de distúrbios do trato urogenital (sangramento fora da menstruação, dor pélvica), assim como também avaliar as suspeitas de infertilidade em mulheres, durante certos procedimentos cirúrgicos ou acompanhar a evolução de uma patologia.

Como é feita USG pélvica?

técnico fazendo usg pélvica em grávida

A USG Pélvica é feita por um especialista através de ondas de ultrassom nessa região.

O exame de usg pélvica é realizado em consultório médico ou em laboratório especializado. Durante o procedimento, o paciente é instruído para tirar a roupa e vestir um avental com abertura nas costas.

Ele se deita de costas na cama ou maca especial, com os joelhos dobrados, no caso da ultrassom endovaginal. O médico espalha o gel é na região do ventre inferior e, em seguida, passa a sonda de ultrassom ou transdutor na pele (ultrassom suprapúbico). No caso do transvaginal (endovaginal), a médico introduz o transdutor na vagina, coberto por um preservativo.

No caso dos homens, o transdutor é introduzido no reto do homem (ultrassonografia endorretal), para obter imagens de melhor qualidade. É possível que o paciente sinta um leve desconforto por conta da bexiga cheia e a passagem da sonda, quando o exame é feito pelo abdômen.

O exame pode durar aproximadamente 20 minutos a 1 hora, dependendo da técnica utilizada para utilizar o ultrassom pélvico e dos órgãos a serem examinados. Geralmente, o exame não provoca nenhuma dor. Se caso o exame seja feito por um radiologista, o relatório é enviado diretamente ao médico assistente.

Como é feita a preparação do paciente?

Para fazer o exame de usg pélvica, não é necessário estar em jejum, mas é preciso estar com a bexiga cheia antes do exame, no caso da ultrassonografia via suprapúbica. Nesse caso, o paciente deve beber de 500 mL a 1 L de água (4 a 6 copos de água), uma hora antes do ultrassom, sem urinar. 

Isso porque a bexiga cheia desloca os intestinos, facilitando o alcance dessa área pelas ondas ultrassônicas, permitindo uma maior visibilidade e um bom exame. Já no caso do ultrassom transvaginal o ideal é realizá-lo de bexiga vazia pois permite melhor visualização dos órgãos do aparelho geniturinário feminino. 

Existem riscos à saúde do paciente?

Nenhuma ultrassonografia representa riscos para a saúde do paciente, e a usg pélvica não seria diferente. Pelo contrário, ela pode revelar muitos distúrbios, sejam eles benignos, como a presença de cistos ovarianos sem gravidade ou mais graves.

Além disso, o exame às vezes, pode até ajudar a explicar problemas de infertilidade, como malformação uterina ou obstrução das tubas uterinas. Sem falar que a ultrassonografia pélvica também pode detectar a presença de massas anormais (tumores), muitos deles benignas. Mas que, em geral, podem ser coletadas para serem levadas para uma biópsia analisada em laboratório, a fim de se obter 100% de certeza de que não se trata de um câncer, como o câncer de próstata, câncer do colo do útero, por exemplo.

Portanto, a usg pélvica é um exame fundamental e que deve ser feito anualmente até como exame preventivo feminino. Assim, não deixe de fazer o exame por medo de riscos à saúde, arriscado é não fazer os exames corretos para ficar com a saúde em dia.