Icone informações
Quero agendar
uma consulta
Icone informações
Quero mais
informações
Sobre o que você deseja saber?
Preencha os dados abaixo, selecione o assunto de interesse e receba informações exclusivas!

Endometriose: Tratamento Natural, existe?

Endometriose: Tratamento Natural, existe?

Postado em: 3 de junho de 2020

Atualizado por danijardim em 3 de junho de 2020

Endometriose: tratamento natural, existe? Para quem não sabe, a endometriose é uma condição em que uma quantidade de células do endométrio, o tecido interno do útero que se forma para revestir a cavidade uterina e prepará-la para receber um embrião, se desloca alojando-se fora do órgão. Isso acaba levando à uma série de complicações, dores […]

Endometriose: tratamento natural, existe? Para quem não sabe, a endometriose é uma condição em que uma quantidade de células do endométrio, o tecido interno do útero que se forma para revestir a cavidade uterina e prepará-la para receber um embrião, se desloca alojando-se fora do órgão. Isso acaba levando à uma série de complicações, dores e desconfortos para a mulher, dependendo da região afetada. Embora não exista cura, há uma série de tratamentos, inclusive naturais.

Há inúmeros relato de mulheres que sofrem muito durante anos por conta dessa doença. Os sintomas podem variar para cada mulher, mas podem incluir cólicas terríveis no período da menstruação, sangramentos excessivos, enjôos, calafrios, inflamação da região uterina, desconforto durante o sexo, alterações urinárias ou intestinais e até mesmo infertilidade. 

Em geral, os órgãos mais comumente afetados são os ovários, o intestino, a bexiga, as trompas e o peritônio, membrana que forra a parede abdominal. Na maioria dos casos, o tratamento para o controle é medicamentoso, sendo que muitas vezes a cirurgia é recomendada para retirar os focos da doença.

No entanto, a recomendação frequente dos médicos envolve a prática de atividades físicas, que ajudam tanto na prevenção como no tratamento. Aliada à uma dieta anti inflamatória, suplementação e controle de estresse, entre outras medidas, as atividades físicas diárias podem fazer verdadeiros milagres em melhorar a qualidade de vida dessas mulheres.

Quer entender como em caso de endometriose o tratamento natural pode ajudar? 

Então, confira o resto do artigo abaixo!

Endometriose: Tratamento natural não cura a doença!

A endometriose tratamento natural não é capaz de curar a doença.

A endometriose tratamento natural não é capaz de curar a doença.

Em primeiro lugar, é preciso entender que até ao momento não existe um tratamento capaz de curar a endometriose. Normalmente, o que pode ser feito é a remoção dos focos de endométrio nos órgãos indevidos, sem que haja reincidências.

No entanto, infelizmente isso é muito raro por inúmeras razões. Para citar apenas algumas, devemos analisar as hipóteses sobre as suas causas. Uma delas pode até ser considerada “o mal da mulher moderna”, segundo ginecologistas da Sociedade Brasileira de Endometriose e Ginecologia Minimamente Invasiva.

É o caso da gravidez tardia, visto que as mulheres hoje em dia demoram mais engravidar e acabam menstruando mais vezes. Isso acaba aumentando os riscos de menstruação retrógrada, em que o sangue reflui pelas trompas e é despejado, cheio de células de endométrio, direto no abdômen. 

Embora essas células intrusas retornem pelas trompas, podendo parar indevidamente em qualquer órgão dessa região, só isso pode não causar obrigatoriamente a endometriose. No entanto, o estresse, um outro grande vilão da atualidade, tem papel fundamental para que isso ocorra.

Já existem muitos estudos que comprovam que estresse e tensão em excesso prejudicam o bom funcionamento do sistema imunológico. Com isso, o organismo não consegue eliminar as células uterinas invasoras.

Com isso, podemos dizer que o excesso de trabalho, ansiedade, alterações no sono, tendência genética e poluição também são gatilhos relacionados à doença. Não é à toa que se fala tanto na prática de atividades físicas como parte de uma tratamento natural para a endometriose, pois os exercícios são capazes de combater diretamente esses gatilhos.

Endometriose e a prática de exercícios

A prática de exercícios pode ajudar como endometriose tratamento natural.

A prática de exercícios pode ajudar como endometriose tratamento natural.

Inúmeros estudos revelam que a prática de exercícios tem efeito preventivo. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, por exemplo, constatou que de todas as mulheres voluntárias que relataram ser ativas desde cedo apresentaram uma tendência menor de desenvolver a doença.

Isso porque a prática de atividade física aeróbica regular libera endorfinas, que têm efeito vasodilatador e analgésico. Esses neurotransmissores, além de eliminar o estresse, reduzem os níveis de estrogênio, hormônio feminino com papel fundamental na ocorrência da doença.

Os exercícios então, se tornam fundamentais desde cedo, pois em alguns casos, a doença pode ter início logo nos primeiros anos de menstruação. Sendo que um dos agravantes é demorar até doze anos para ser diagnosticada. 

Portanto, quanto mais jovem a mulher inserir uma rotina de atividades físicas no seu dia a dia, melhor será para a sua saúde e prevenção da doença.

No caso de quem já foi diagnosticada com endometriose, os exercícios costumam minimizar os sintomas, fazendo com que as aderências tornem-se mais maleáveis e causando menos dor. Em alguns casos, os exercícios podem até eliminar de vez esses sintomas.

Ao mesmo tempo, com a prática de exercícios, o sistema imunológico começa a funcionar melhor, o organismo desinflama, ativa a circulação, regula a produção hormonal deixando os hormônios equilibrados, contribuindo para um bom funcionamento de todo o organismo.

Em caso de endometriose, quais exercícios fazer?

Sabemos que quando as dores da endometriose estão insuportáveis, são poucos os exercícios que se consegue fazer. Mas o ideal é se movimentar de alguma forma. Sendo assim, opte por alongamentos leves, esportes na água e exercícios que ajudam na respiração para aliviar as dores e o inchaço e são exercícios de menor impacto.

A melhor forma é ir devagar e experimentar aquilo que mais se adequa à sua dor, sem sobrecarregar o corpo. Muitas vezes, alguns exercícios podem sobrecarregar algumas regiões já doloridas, como a lombar. Neste caso, prefira exercícios que distensione essas regiões, como posições de yoga e exercícios de pilates.

O importante é escolher uma modalidade que lhe dê prazer. No entanto, o único pré-requisito, no caso do combate à endometriose, é que a atividade seja aeróbica. 

Ou seja, você pode caminhar, correr, nadar, pedalar, fazer circuito funcional, desde que em intensidade moderada, e com duração mínima de 30 minutos a uma hora, no mínimo, para ter efeito, em uma freqüência de quatro ou cinco vezes por semana.

O pilates e a yoga, por exemplo, também podem ajudar, pois existem exercícios e posições que melhoram a flexibilidade da pelve, causando um maior aporte de sangue na região e, conseqüentemente, aliviando a dor. 

O controle da respiração também é fundamental, pois elimina o estresse, que já vimos ser um dos principais culpados por provocar a doença, além de ajudar a equilibrar os hormônios.

Como os exercícios agem em caso de endometriose

Todo mundo sabe que exercício físico faz bem para a saúde a ajuda prevenir uma série de doenças. Qualquer modalidade de exercícios é válida, mas em caso de endometriose, os exercícios aeróbicos costumam ter um papel fundamental e agir no organismo da seguinte forma específica:

  • Exercícios aeróbicos estimulam a hipófise, glândula situada no cérebro, que secreta uma substância chamada endorfina, inibidora da secreção do hormônio FSH, que estimula a produção de estrogênio nos ovários.
  • Através de uma produção menor de FSH, suas doses em circulação não terão o mesmo efeito combustível para o endométrio se desenvolver. Assim, esse crescimento de tecido intruso é desacelerado ou até reduzido.
  • No sangue, a endorfina também neutraliza a produção de adrenalina e cortisol, duas substâncias liberadas pelo estresse, com influência negativa no organismo. Dessa forma, as células de defesa imunológica passam a combater de forma mais eficiente o endométrio invasor.

E qual o papel da alimentação na endometriose?

A alimentação tem papel importante na endometriose tratamento natural.

A alimentação tem papel importante na endometriose tratamento natural.

Lógico que não é só começar a fazer exercícios e pronto. A alimentação adequada também deve ser uma grande aliada, não só para a manutenção da prática de exercícios, mas também para atuar de forma preventiva no caso da doença.

Existem algumas correntes diferentes que defendem uma dieta anti-inflamatória específica, mas o ideal é experimentar aquela que lhe traz maior alívio e seja mais adequada ao seu estilo de vida.

Afinal, é como nos exercícios, não adianta fazer nada forçado e sem prazer, pois isso irá causar um estresse ainda maior na sua vida. E esse é justamente o objetivo contrário desse  tratamento natural. 

De todas as dietas que já foram divulgadas, muitas possuem alguns pontos em comum e sugerem cortar nos seguintes alimentos:

  • Alimentos que contenham glúten;
  • Leite e lacticínios;
  • Carnes vermelhas;
  • Soja e derivados (grande fonte de estrogênio);
  • Bebidas alcoolicas;
  • Produtos industrializados/processados (excesso de sódio);
  • Açúcar;
  • Vegetais crus.

Há dietas também com algumas variações, que também sugerem ser evitadas, como por exemplo:

  • Cereais e derivados;
  • Leguminosas (incluindo amendoim);
  • Camarão;
  • Quinoa;
  • Batata;
  • Pimentão;
  • Beringela;
  • Inhame e tapioca;
  • Ovos (exceto orgânicos de granja). 

Nossa, mas e o que PODE comer?

Deu para assustar não é mesmo? Não pode comer praticamente nada. Mas não é bem assim. Você pode apenas não comer em excesso e intercalar a dieta em certos períodos em que os sintomas parecem estar mais fortes, como no período menstrual. É como fazer uma desintoxicação por um certo período.

O importante é focar nos alimentos de ação anti-inflamatória e estimulantes. Veja o que é possível incluir na dieta:

  • Peixes;
  • Ovos de granja, orgânicos (galinha e codorna);
  • Carne de perdiz, coelho, borrego, cabrito, etc;
  • Cogumelos;
  • Algas;
  • Frutos secos;
  • Vegetais (abobrinha, cenoura, couve-roxa, couve-coração, brócolis, cebola, abóbora, pepino, etc.);
  • 2 porções de fruta por dia, no máximo (por conta do açúcar);
  • Crustáceos;
  • Côco e qualquer outro alimento à base de côco;
  • Ingredientes picantes (wasabi, pimenta, gengibre) e especiarias como a curcuma (pela ação termogênica e estimulante);
  • Leite de amêndoa;
  • Vinho tinto (uma taça por dia);
  • Chocolate amargo (maior porcentagem de cacau possível);
  • Tâmaras.

Outros aspectos importantes da dieta anti-inflamatória

Além dos alimentos específicos, existem também alguns aspectos importantes em toda dieta. No caso da dieta anti-inflamatória, o jejum e a alimentação intuitiva possuem papéis fundamentais para o sucesso da dieta.

No caso do jejum, é importante espaçar as refeições entre 4 a 6 horas para dar tempo ao organismo de desintoxicar. No início pode parecer estranho e complicado, mas o corpo acostuma. Ele vai ressentir nos primeiros dois dias, até a desintoxicação acontecer, depois vai agir normalmente.

Mas lembre-se o jejum deve ser treinado aos poucos, sendo que quanto mais vezes fazemos, mais tempo conseguimos aguentar sem comer. Mas a sua alimentação deve estar equilibrada, além de contar com a orientação de um nutricionista.

É preciso também repensar na forma como nos relacionamos com o nosso corpo na hora de comer. Isso significa que devemos evitar a alimentação intuitiva, isto é, quando não há fome, mesmo que esteja na hora da refeição. Da mesma forma, quando saciamos a fome é preciso parar de comer. 

Tudo faz parte de um treino e disciplina, nada é imediato!

Além da alimentação, outras medidas fundamentais

A suplementação pode ajudar como endometriose tratamento natural.

A suplementação pode ajudar como endometriose tratamento natural.

E se você achou que apenas exercícios e uma dieta anti-inflamatória são suficientes, novamente errou. Nada adianta se você não manter a hidratação adequada, noites de sono bem dormidas e até uma suplementação, se for uma necessidade.

Afinal, todas essas medidas fazem parte de um estilo de vida saudável, que só irá beneficiar o seu organismo no combate não só da endometriose, como também de outras doenças, principalmente hormonais.

Além disso, é preciso evitar disruptores endócrinos, por contato ou ingestão, e prezar SEMPRE pelo seu bem estar emocional. Veja como seguir todas essas medidas em mais detalhes abaixo:

Hidratação

A hidratação do corpo é fundamental para o bom funcionamento do organismo, mas muita gente parece esquecer e desrespeitar. Por outro lado, a hidratação em excesso também pode ser nociva. O ideal é saber ouvir o nosso corpo, prestando atenção aos sinais.

Esquecer de beber água e passar dias sem beber líquido é péssimo, podendo ter efeitos drásticos de desidratação no organismo. Da mesma forma, beber água em excesso pode também sobrecarregar os rins. 

O ideal é beber bastante água, mas controlar a quantidade pela cor da urina. Por exemplo, se a sua urina estiver escura (muito amarela) é sinal de falta de água no organismo. Já se estiver transparente, é melhor dar um tempo.

A quantidade de água vai depender muito de cada dia, dias de muita sede, dias de transpiração maior, etc.

Noite de sono

O ideal para a saúde é poder dormir cerca de 8 horas por noite. Há inúmeros estudos sobre o impacto do sono na nossa saúde e bem-estar. Nada como uma noite bem dormida para repor as energias e diminuir o estresse.

Isso porque é durante o sono que o sistema imunológico se restabelece e equilibra a produção de vários hormônios. No caso da endometriose, como o sistema imunitário não está funcionando propriamente bem, ter boas noites de sono é fundamental para equilibrar o problema.

Suplementação

A suplementação pode fazer milagres, desde que feita da forma adequada e sob orientação médica. Portanto, antes de começar a tomar qualquer suplemento, é preciso fazer as devidas análises sanguíneas e considerar todo o histórico médico da pessoa. Só assim o profissional de saúde poderá recomendar um plano de suplementação adequado.

Atualmente, existem estudos sobre um suplemento que vem obtendo resultados positivos na redução dos sintomas da endometriose, entre outros. É a Melatonina, o hormônio do sono, produzido pelo nosso próprio corpo.

No entanto, a produção de melatonina é inibida pela exposição às luzes azuis dos eletrônicos, por exemplo. Assim, a suplementação ajuda a regular o ciclo circadiano e tem um efeito anti-inflamatório no corpo.

Como dissemos acima, o sono tem papel fundamental para a redução dos sintomas da endometriose, por conta de equilibrar a produção de hormônios.

Outros suplementos que também fazem a diferença são o Ómega 3, a Vitamina D, a Glutamina, a Curcuma, os Probióticos e os Prebióticos, que costumam apresentar grandes alívios.

No entanto, cada mulher vai exigir dosagens e horários diferentes, que serão recomendados pelo médico.

Disruptores endocrinos

Disruptores endócrinos são substâncias que, através do contato por ingestão ou absorção através da pele, imitam o comportamento dos hormônios no nosso corpo e causam inúmeras disfunções hormonais.

Existem muitos estudos que apontam o efeito dessas substâncias, como parabenos, BPAs (bisphenol-A), Dioxina, Ftalatos, etc. O pior é que eles estão em toda parte, como no ar poluído, em embalagens plásticas, nos cosméticos, detergentes, implantes dentários (de chumbo), nos peixes (mercúrio), papéis higiênicos, absorventes, preservativos e até na comida que ingerimos, dependendo da procedência.

Portanto, evitá-los pode ser uma tarefa difícil, mas possível. Veja como abaixo:

  • Evitando beber água de garrafas plásticas;
  • Acabando com os tupperwares de plástico, trocando-os por vidro;
  • Parar de usar talheres de plástico e canudinhos;
  • Trocando os absorventes por um copo menstrual;
  • Optando por produtos cosméticos conscientes, que não utilizam essas substâncias;
  • Usando sabonetes naturais;
  • Usando óleos naturais como hidratantes: azeite, óleo de côco, óleo de sésamo, de cânhamo, etc…
  • Comprando produtos de limpeza isentos dessas químicas, entre outras medidas.

Bem-estar emocional

Por fim, mas não menos importante, o seu bem estar emocional sempre em primeiro lugar. Afinal, um corpo saudável deve estar livre de ansiedade, medos, paranóias e depressão.

Sabemos que isso pode ser uma das medidas mais difíceis, pois todos nós temos problemas pessoais e no caso do diagnóstico de uma doença crônica muito dolorosa, é ainda mais difícil  nos manter equilibrados.

Mas é bastante possível, e só depende de você. Procure ajuda se não for fácil para você. Priorize seu tempo com coisas que lhe dão prazer, ao invés de se afundar em obrigações. Um tempo só para si mesmo é fundamental para organizar as ideias e priorizar aquello que vale à pena.

Fuja das situações traumáticas e angustiantes, assim como de pessoas que não lhe fazem bem, principalmente quando não estiver sentindo-se no seu melhor dia. Tudo requer tempo e as mudanças não acontecem de um dia para o outro, mas se é o seu desejo, isso já basta para dar um passo adiante, depois o processo fica mais fácil. Procure ajuda de um especialista, juntos vocês encontrarão a melhor solução!